Crítica de Livro | Enterro sem defunto

Olá, meu bom leitor.

Hoje irei trazer as minhas impressões sobre o livro Enterro Sem Defunto do autor nacional Daniel Barros.

O livro é um romance policial onde somos apresentados ao agente Alcides da divisão de narcóticos da Polícia Civil. A trama se desenrola mostrando os casos amorosos de Alcides no seu passado no estado de Alagoas e no presente sua atuação como policial envolvido em várias investigações sobre vendas de drogas na capital.

O que mais me agradou nesta obra foi a forma com que o autor concebeu sua estrutura narrativa, onde temos capítulos intercalados no passado e no presente, caminhando até se encontrarem onde o que mais precisamos é de folego para conseguir terminar esta trama eletrizante. Quando lemos o passado de Alcides, ainda fotografo e namorador, vemos várias facetas sobre o cotidiano e várias críticas sociais sobre o coronelismo da cana-de-açúcar. Quando lemos a outra contra parte da vida de Alcides, no presente já como agente policial, vemos uma série de investigações que levam a sua apoteose e a prisão de um traficante que usa de sua influência política para se ver livre da prisão.

Eu sempre digo aqui no blog, que um dos principais alicerces de ser um escritor de qualidade é a inclusão da crítica social e a retratação do meio em que se vive. Daniel Barros além de nos brindar com uma bela história nos mostra não só uma crítica social, mas várias, ler Enterro Sem Defunto é mais do que ler um romance policial de tirar o folego, ler este livro é saber que precisamos tomar ar para pensar nos questionamentos que ele nós trás.

Os personagens e a ambientação da história são excelentes, um não existe sem o outro, Alcides não é Alcides sem suas vivências em Maceió e sua experiência em Cuba, como o agente Alcides não seria ele sem Brasília e toda a corrupção que a capital do país pode expor. Os outros personagens são tão transparentes e verdadeiros que podemos sim encontrar a Clara universitária que pensa que tem domínio sobre os seus sentimentos, um amigo como Pedro que conhece a história do amigo e faz tudo para ver o outro feliz e até mesmo sabemos de histórias como a de Catarina, uma promotora que passa a vida se escondendo dos bandidos que vivem acima da lei.

Aqui somos apresentados a vilões do cotidiano, vilões que são escolhas, vilões que nós mesmo optamos em ter. Ou seja, nesta leitura nós temos vilões como o delegado corrupto, mas ouso dizer que o maior vilão da trama criada pelo Daniel Barros é o da escolha antecipada, aquela que fazemos sem pensar com cuidado, que fazemos no calor do momento e que somente com vários anos pode ser reparado.

Um dos poucos pontos negativos, e que realmente não me agradou muito, foi o de excesso de cenas de sexo, não que isso tire a qualidade narrativa, mas quero deixar bem claro a você, que este é um posicionamento bem pessoal meu. Não gostei muito deste excesso, mas para você este detalhe pode não te incomodar.

Ler o Enterro Sem Defunto, é uma experiência além de ver um crime ser solucionado, é aprender sobre como é um pouco a vida de um alagoano, um pouco sobre a vida de um policial e com tudo isso sabermos que a vida é muito maior do que estamos acostumados a ver no nosso dia-a-dia. Leia sem medo e venha me dizer o que você achou deste enterro.

Sinopse

“Quantas voltas uma vida pode dar antes que alguém encontre o seu destino? E se pode chamar de Destino a injustiça que se interpõe entre a felicidade de duas pessoas?

Depois do sucesso de seu livro de estreia – O Sorriso da Cachorra -, Daniel Barros expande agora o universo das relações humanas e nos brinda com este eletrizante romance policial. Seguindo uma estética não-linear, que simula o real funcionamento da mente humana, presente e passado se mesclam e interpenetram todo tempo e lançam sobre o leitor, sem qualquer pudor, perguntas que perpassam desde o universo privado da sexualidade de um casal apaixonado até a complexa realidade jurídica de um país lentamente corroído pelo tráfico de drogas e pela corrupção.

Quem é o policial que caminha nas ruas e tenta honestamente reprimir o tráfico de drogas? Uma mera engrenagem na máquina judicial ou um ser humano que passa por cia do mais básico dos instintos – o de sobrevivência – para realizar seu trabalho? E quem é Alcides? Um personagem irreal ou uma síntese de todos aqueles policiais que Daniel Barros conheceu ao longo de sua vida? Quem é Catarina? Uma promotora ficcional ou a síntese do moderno conflito entre vida pessoal e vida profissional que permeia o cotidiano das mulheres?

Partindo da premissa de que o óbvio nem sempre é aquilo que está explicitado, tente você, leitor, responder as estas e a outras perguntas que este livro te fará”.

Livro: Enterro sem Defunto
Autor: Daniel Barros
Editora: Ler Editorial
Páginas: 239

Capa: 8,00
Continuidade: 9,00
Personagens: 9,50
Cenários: 10,00
História: 9,00
Narrativa: 10,00
Diálogos: 9,50
Revisão: 9,00

Nota Final – 9,25 – Muito Bom

Tenha um ótimo ponto para ler!

Paulo Souza.

Você irá gostar de ler também:

9 Comentários

  1. Enterro sem Defunto é mais que um romance policial. É um livro que te prende do início ao fim. O talento do escritor Alagoano retrata de forma direta o cotidiano das investigações no combate ao tráfico de drogas. A eterna guerra entre o bem e o mal, a honestidade e a corrupção, as pressões do poder e as aventuras de um jovem sonhador. Leitura imperdível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *