Colecionador – Parte Um

Olá, meu bom leitor.

Nesta quinta vou iniciar um conto de suspense/terror com uma técnica que eu achei muito interessante.

Ela consiste em escrever um texto com no máximo de 275 palavras para o inglês e no português é aceitável escrever de 275 até no máximo 350 palavras, é chamado de Short Scary Stories.

Essa margem é considerável para o português por muitos escritores por causa da riqueza de palavras e das diferenças gramaticas das línguas portuguesa e inglesa. Claro que existem aqueles que falam que isso é bobagem e que no português é possível sim escrever com as 275 palavras, isso claro vai depender do entendimento da cada um.

Espero que gostem do texto.

Tenha um ótimo ponto para ler!

Colecionador – Parte Um

– Vivo em uma comunidade isolada senhor – dizia o rapaz com a voz trêmula – preciso voltar para casa antes que fique muito tarde.

– O que você estava fazendo andando por estas bandas? – perguntou o homem montado em seu cavalo observando o jovem com um olhar seco.

– Queria dar uma olhada nas ruínas… Ver de longe mesmo… Apenas curiosidade.

– São apenas ruínas de uma civilização que não voltará – a voz do homem saía fria – você não tem medo do Colecionador?

O rapaz arregalou os olhos e fitou o homem tentando não aparentar o medo que sentiu ao ouvir aquela palavra. Colecionador.

– É apenas história para crianças dormirem e não fugirem de casa a noite.

– Toda história tem um fundo de verdade – disse o homem olhando para o horizonte vendo o sol se por – por via das dúvidas é melhor ir embora, já está escurecendo.

– Preciso mesmo ir – disse o rapaz já se virando para o campo e começando a correr.

Enquanto corria o sol ia se pondo no horizonte e olhando vez ou outra para trás para ver o vulto do homem montado em seu cavalo, sempre imóvel.

Já começava a se cansar quando tudo escureceu, ele resolveu parar e olhar para trás, pela penumbra do céu roxo escuro ele não via mais o homem.

Foi quando sentiu o bafo quente bater em sua nuca.

Ouviu um relinchado.

Paralisou de medo.

Ouviu a pessoa desmontar.

Ouviu outro relinchado.

Sentiu uma mão fria pousar em seu ombro e uma voz gélida sussurrar em seu ouvido.

– Às vezes histórias para crianças são contadas para elas não saírem de casa a noite quando crescerem.

Ele chorou de medo enquanto o Colecionador o levava para as ruínas de arranha céus de uma sociedade há muito destruída.

Você irá gostar de ler também:

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *