Crítica de Livro | A Menina que Brincava com Fogo (Trilogia Millenium)

Vocês lembram que eu fiquei enlouquecida quando li Os Homens que não Amavam as Mulheres? Não lembram? Então clica AQUI e dá uma olhada!

A maior dificuldade de se escrever sobre um livro que faz parte de uma série é justamente o cuidado de não dar detalhes demais da história. Não falar demais e acabar dando um spoiler para quem já está no primeiro livro, por exemplo.

Com esse livro tenho que redobrar os cuidados, porque a história é tão cheia de detalhes que uma coisa simples pode estragar a surpresa de ler um livro tão elaborado. O suspense que envolve a trama é de tirar o chapéu de tão bem escrito. Eu sou muito suspeita para falar do Stieg Larsson porque adoro a trilogia e acho uma pena que ele tenha morrido e não possa mais escrever histórias tão ricas para nós.

a-menina-que-brincava-com-fogoO fato é que nesse livro Lisbeth se vê presa numa enorme enrascada. Ela passará a ser caçada pela polícia por conta de um triplo assassinato e sua única chance de provar que é inocente é se mantendo fora da prisão. Esse fato faz com que ela confie menos ainda no governo e sua ideia é achar um meio de entender o que aconteceu e correr atrás de quem a incriminou.

Na verdade, você vai perceber que ela já tem uma ideia bastante clara de quem pode estar por trás de tudo isso. E justamente por isso, você vai viajar no tempo e descobrir que fato fez com que ela ficasse trancafiada por anos em um manicômio e, principalmente, quem ganhou muito por ela ter sido considerada incapaz e precisar de um tutor.

O livro começa com Mikael Blomkvist e a possibilidade de lançamento de uma nova edição bombástica da Millenium. Ele aparece até o desenrolar dos fatos, mas a partir daí o foco vai todo para Lisbeth e o que ela andou fazendo enquanto esteve sumida. É sensacional saber que ela não se abala nem por um minuto quando sai na sessão policial dos jornais.

A frieza dela em alguns momentos chega a dar medo. Mikael dá uma sumida da história, porque Lisbeth o ignora deliberadamente. Ainda assim ele é uma peça importante no caminho para descobrir a verdade. Já adianto que esse livro é diferente do primeiro e a história não se desenrola inteira aqui. Você vai precisar ler o terceiro para ver como as coisas acabam.

Apesar disso uma coisa eu garanto, o livro é muito bom. Muito mesmo! Claro que se suspense não é muito a sua praia você pode não gostar, mas se você já gosta ou quer se abrir para novos estilos, vai começar muito bem com esse. Depois, meu amigo é só partir para o abraço e ir para outros autores.

Sinopse

Lisbeth parece uma garota frágil, mas é uma mulher determinada, ardilosa, perita tanto nas artimanhas da ciberpirataria quanto nas táticas do pugilismo. Mikael Blomkvist pode parecer apenas um jornalista em busca de um furo, mas no fundo é um investigador obstinado em desenterrar os crimes obscuros da sociedade sueca, sejam os cometidos por repórteres sensacionalistas, sejam os praticados por magistrados corruptos ou ainda aqueles perpetrados por lobos em pele de cordeiro. Um destes, o tutor de Lisbeth, foi morto a tiros. Na mesma noite, contudo, dois cordeiros também foram assassinados – um jornalista e uma criminologista que estavam prestes a denunciar uma rede de tráfico de mulheres. A arma usada nos crimes não só foi a mesma como nela foram encontradas as impressões digitais de Lisbeth. Procurada por triplo homicídio, a moça desaparece. Mikael sabe que ela apenas está esperando o momento certo para provar que não é culpada e fazer justiça a seu modo. Mas ele também sabe que precisa encontrá-la o mais rapidamente possível, pois mesmo uma jovem tão talentosa pode deparar-se com inimigos muito mais formidáveis, e que, se a polícia ou os bandidos a acharem primeiro, o resultado pode ser funesto, para ambos os lados.

A partir dessa resenha vou usar a mesma classificação do Paulo para que o julgamento do blog seja mais uniforme. Reparem que dei uma nota mais baixa para os Cenários e já digo que eles são bons, mas como tudo se passa na Suécia fica complicado imaginar algumas coisas o que não prejudica em nada a leitura porque rapidamente você aprende que Lundagatan é a rua do apartamento de Lisbeth.

Livro: A Menina que Brincava com Fogo      Autor: Stieg Larsson

Páginas: 608                                                        Editora: Companhia das Letras

Capa: 10

Continuidade: 9

Personagens: 9,5

Cenários: 8,5                                                        Nota Final: 9,37

História: 9,5

Narrativa: 9

Diálogos: 9,5

Revisão: 10

Você irá gostar de ler também:

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *