Crítica de Livro | Mariposa

Olá meu bom leitor!

Hoje trago para vocês as minhas impressões sobre o livro Mariposa – Asas que mudaram a direção do vento da Patrícia Baikal.

10898080_1582770361958475_3494264953317319636_n

Primeiro gostaria de dizer que a Patrícia mora aqui em Brasília (sim além de ser um livro nacional ainda por cima é de uma autora daqui da capital), em segundo lugar gostaria de dizer que eu ganhei o livro da autora, que chegou para mim em uma bela caixa com marcadores. Podem morrer aí ;*

Agora voltando ao foco do livro vou começar falando da narrativa que a autora usou, uma narrativa simples com narrador personagem. Tenho que deixar claro que eu tenho um certo preconceito em relação a livros com esse tipo de narrativa, pois é uma ferramenta bem simples de se usar e que geralmente não gera grandes resultados no escopo do texto.

Sempre nestes livros vemos construções falhas, temos um narrador que é o próprio personagem principal (ou secundários em alguns casos) e muitas vezes a contagem da história fica em segundo plano dando lugar a uma narrativa que enaltece desnecessariamente os pontos de vista de um único personagem. Em 90% dos casos esse tipo de texto não consegue trazer toda a beleza da história, e nós leitores ficamos com aquele pensamento ao final do texto: é bom, mas falta alguma coisa para ser melhor.

Porém hoje não estou falando de uma autora qualquer, a Baikal conseguiu se apropriar de uma técnica simples e utiliza-la com uma maestria surpreendente, após a leitura deste livro cheguei à conclusão que até o momento eu tive o desprazer de ler autores que não souberam usar este tipo de narrativa. Meus mais sinceros agradecimentos a Patrícia por me apresentar a outra faceta desta narrativa que pode ser muito mais do que aparenta.

Mariposa: asas que mudaram a direção do vento

A autora de Mariposa consegue construir toda uma trama, série de acontecimentos narrados pelo senador Nicolas de uma maneira que simplesmente te abraça. As dúvidas, os questionamentos, os pensamentos e as análises do que está acontecendo ali no centro do furacão em que ele está vivendo fazem com que a narrativa cumpra seu papel de contar a história, e não de apenas mostrar o personagem.

A trama é envolvente, há tempos que não leio algo relacionado a política que me prenda de uma forma tão natural. A Mariposa, personagem enigmática, é o norte que guia o senador Nicolas a todos os caminhos de corrupção e destruição até a apoteose de um político que mostra que é possível ser o agente de transformação do meio em que vive.

Outro ponto importante são as referências que a Patrícia usa, posso estar falando besteira mas “A Ordem” que coordena todos os movimentos por de baixo dos panos e que guia as ações da Mariposa é bem parecida com “Os Buchas”, que lutaram contra a ditadura de Getúlio Vargas. A sequência de capítulos que fazem analogias diretas ao caminho das verdades e de dor de Dante narrados na Divina Comédia, como quando o senador Nicolas já está imerso aos acontecimentos sem saber o que fazer ele passa pelo seu inferno, quando descobre um vislumbre da luz que o pode levar a verdade, Nicolas segue pelo seu purgatório até chegar a conquista da paz no paraíso. Eu vi esses movimentos aí e gostaria de dizer que ficou ótimo.

Uma coisa que eu não gostei muito foram os diálogos do livro, sim eu sei que sou um chato em relação a diálogos, ainda mais que peguei o Mariposa depois de uma batida de leituras seguidas de Jorge Amado e Stephen King, então sim, eu estou sendo chato e sei disso. Mas creio que os diálogos poderiam ser um pouco mais intrigantes e mais elaborados, senti falta de um diálogo mais sofisticado, como no momento em que o senador Nicolas trava uma conversa com o seu rival o senador Brassel.

No mais, posso dizer que este livro que é soberbo. Não só o indico como até posso emprestar o exemplar que eu tenho aqui em casa. É um livro fenomenal de uma autora ímpar que tem um futuro brilhante.

Leiam Mariposa sem medo e se deixem ser guiados não só por uma mulher que se veste de enigma, mas pelo fato de que a nossa literatura pode ser surpreendente!

Sinopse

“A história central – sobre jogo de poder, política e corrupção – se cruza com uma história de amor. Um jovem senador brasileiro, Nicolas, se vê rodeado de grandes mistérios, a partir do momento em que uma estranha mulher invade sua casa e lhe dá pistas para incriminar seu rival político.

Enquanto se envolve de uma forma apaixonante com esta mulher, de codinome Mariposa, Nicolas tenta desvendar os segredos de uma organização, invisível aos olhos da sociedade, mas com grande poder de influência na política do país”.

Livro: Mariposa                                   Autora: Patrícia Baikal

Páginas: 291                                          Editora: Kiron

Capa: 9,00

Continuidade: 9,00

Personagens: 9,50

Cenários: 10,00                                        Nota Final: 9,12

História: 9,00

Narrativa: 9,00

Diálogos: 8,00

Revisão: 9,50

Tenha um ótimo ponto para ler!

Você irá gostar de ler também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *