Crítica de Livro | Maze Runner (Trilogia)

Olá, meu bom leitor.

Hoje farei a crítica da trilogia Maze Runner (Correr ou Morrer, Prova de Fogo e A Cura Mortal) do escritor James Dashner.

Primeiro eu gostaria de explicar por que estou fazendo a crítica da trilogia e não de cada livro separado. Eu não vou perder o meu tempo fazendo a crítica de três livros que não são diferentes, relaxa que eu vou explicar isso.

Como você já sabe eu faço as críticas literárias mais voltadas para a estrutura, técnica e elaboração do livro, não gosto de contar a história como é feito em muitas resenhas por aí, acho que isso tira a magia de se pegar para ler o livro. Eu gosto de te apresentar uma análise de como vai ser a sua leitura, do que você vai encontrar em determinado livro.

No caso dos livros do Dashner, como posso dizer isso, todos apresentam a mesma estrutura fraca de narrativa. É isso, eles são ruins, mal estruturados, personagens falhos e uma trama muito pouca desenvolvida.

livro-maze-runner-correr-ou-morrer-resenha-borboletas-na-carteira-3

Vamos começar com uma breve análise do primeiro livro o Correr ou Morrer, que na minha opinião é o menos fraco e melhorzinho da série. Existe a apresentação normal dos personagens e da trama central, de como eles pararam dentro do labirinto. Pronto é isso, todos os personagens são meramente superficiais, os personagens principais tem uma lapidação melhor (Thomas, Newt, Alby, Minho, Gally e Teresa) mas mesmo assim, não senti uma construção mais profunda. O grande astro deste livro é o Labirinto, digo não só deste livro mas como de toda a trilogia.

O segundo livro, Prova de Fogo, é um caos narrativo, eu observei pelo menos três maneiras de escrita no decorrer do livro e por isso senti muita dificuldade em ler este livro. Do nada de um capítulo para o outro a escrita muda de forma, os diálogos mudam da maneira de serem feitos e os personagens mudam a maneira de como falam, neste livro o Minho muda drasticamente se tornando outra pessoa sem uma justificativa plausível dentro do contexto da história. O labirinto continua sendo o grande astro deste livro, mesmo eles não estando mais dentro dele.

A Cura Mortal o último livro da trilogia é simplesmente ruim. A narrativa é forçada e truncada, as coisas não tem um desencadeamento natural de fatos, do nada as coisas acontecem e você se sente perdido. É uma narrativa completamente forçada e artificial. Foi neste livro que eu fiquei pensando que motivo levou Thomas a ser o personagem principal sendo que ele é o único que não evolui com a história, a impressão que eu tive foi que ele foi concebido para participar de uma história que envolvesse um labirinto. No momento em que a história o fez sair do labirinto o autor se perdeu e o manteve na história não sei por qual motivo. O Labirinto volta nesse livro só para mostrar que sem ele esse livro seria muito mais fraco.

Quando a história revela a razão de existir do labirinto, o motivo de eles estarem presos e o que os leva a sair do labirinto é uma ideia legal. Daria uma coisa muito boa de verdade, mas os livros foram escritos de uma maneira meio estranha, tecnicamente e estruturalmente falando eles são um caos de escrita.

Por fim, eu aconselho a leitura do livro, vai que você gosta da história, porque afinal de contas eu olhei o livro com um olhar bem mais técnico, esta séria tem muitos fãs (público mais teen) e se tem muitos fãs é porque essas pessoas viram algo no livro que eu não consegui perceber.

Existem mais dois livros que compõem o Maze Runner (Ordem de Extermínio e Arquivos). Eu não vou ler por não ter mais interesse na série.

Sinopse

Correr ou Morrer – “Ao acordar dentro de um escuro elevador em movimento, a única coisa que Thomas consegue lembrar é de seu nome. Sua memória está completamente apagada. Mas ele não está sozinho. Quando a caixa metálica chega a seu destino e as portas se abrem, Thomas se vê rodeado por garotos que o acolhem e o apresentam ‘A Clareira’, um espaço aberto cercado por muros gigantescos. Assim como Thomas, nenhum deles sabe como foi parar ali, nem por quê. Sabem apenas que todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca se abrem, e, à noite, se fecham. E que a cada trinta dias um novo garoto é entregue pelo elevador. Porém, um fato altera de forma radical a rotina do lugar – chega uma garota, a primeira enviada à Clareira. E mais surpreendente ainda é a mensagem que ela traz consigo. Thomas será mais importante do que imagina, mas para isso terá de descobrir os sombrios segredos guardados em sua mente e correr… correr muito.”

Prova de Fogo – “O Labirinto foi só o começo… o pior está por vir. Depois de superarem os perigos mortais do Labirinto, Thomas e seus amigos acreditam que estão a salvo em uma nova realidade. Mas a aparente tranquilidade é interrompida quando são acordados no meio da noite por gritos lancinantes de criaturas disformes – os Cranks – que ameaçam devorá-los vivos. Atordoados, os Clareanos descobrem que a salvação aparente na verdade pode ser outra armadilha, ainda pior que a Clareira e o Labirinto. E que as coisas não são o que aparentam. Para sobreviver nesse mundo hostil, eles terão de fazer uma travessia repleta de provas cruéis em um meio ambiente devastado, sem água, comida ou abrigo. Calor causticante durante o dia, rajadas de vento gélido à noite, desolação e um ar irrespirável – no Deserto do novo mundo até mesmo a chuva é a promessa de uma morte agonizante. Eles, porém, não estão sozinhos – cada passo é espreitado por criaturas famintas e violentas, que atacam sem avisar. Manipulação, mentiras e traições cercam o caminho dos Clareanos, mas para Thomas a pior prova será ter de escolher em quem acreditar.”

A Cura Mortal – “Por trás de uma possibilidade de cura para o Fulgor, Thomas irá descobrir um plano maior, elaborado pelo Cruel, que poderá trazer consequências desastrosas para a humanidade. Ele decide, então, entregar-se ao Experimento final. A organização garante que não há mais nada para esconder. Mas será possível acreditar no Cruel? Talvez a verdade seja ainda mais terrível, uma solução mortal, sem retorno.”

Livro: Maze Runner – Trilogia               Autor: James Dashner

Páginas: —                                                  Editora: V e R

Capa: 9,00

Continuidade: 5,00

Personagens: 5,50

Cenários: 9,00                                          Nota Final: 6,06

Historia: 6,00

Narrativa: 3,50

Diálogos: 4,50

Revisão: 6,00

Tenha um ótimo ponto para ler!

Você irá gostar de ler também:

3 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *