Crítica de Livro | re-cordis

Olá, meu bom leitor.

Hoje trarei para você as minhas impressões sobre o livro de poesias re-cordis da autora nacional Ágnes Souza. Esta é mais uma publicação da nossa parceira, a Editora Moinhos.

Primeiro quero reiterar mais uma vez, não sou nenhum estudioso de poesias, por isso que os livros que nos livros desse tipo trago mais o que senti durante a leitura, do uma análise mais voltada para a parte técnica como faço com as outras obras.

O livro de poesias da Ágnes Souza primeiramente me trouxe um pouco de estranhamento, não aquele de repúdio, mas aquele estranhamento que nos atinge quando estamos diante de algo novo. Tenho que ser sincero, não entendi muito bem os primeiros poemas, não sei por qual motivo, acredito que mais por falta de assimilação minha, mas os primeiros foram estranhos.

Então, enquanto lia, cheguei ao poema efervescente:

efervescente

nem tudo que
se (ex)cita
se sente.

Que tapa foi esse poema! A partir dele comecei a entender porquê o livro é divido em duas partes e a razão dos poemas. O livro é dividido em duas partes, o “re” e o “cordis”. No meu entendimento, as duas partes se completam como uma batida de coração, separados são fracos, mas depois que se completa toda a leitura você sente o pulsar do livro e a força de sua poesia.

benjamin

morreu,
ninguém sabe como.
se de cara para um poste
engolindo sal do mar,
ou se o coração saltou-lhe o peito.
morreu!!!
era o benfeitor do bairro,
malfeitor da própria vida.
dormia mal,
comia mal,
amava mal.
e no testamento,
entre números
e nomes de amantes, um pedido:
“por favor, que não me façam nome de rua”.

Mesmo tendo compreendido um pouco o que a autora quis trazer com sua poesia, mantenho minha sinceridade e digo que foram poucos os poemas que me arrebataram. Poucos, mas potentes. Terei que recordar esse livro de tempos em tempos, pois tenho a certeza que a cada nova leitura sentirei sua pulsação ainda mais forte.

pontilhado

ontem você me disse
que não gostava das sardas de suas costas
enquanto eu desenhava com os dedos
as constelações dos nossos signos
e elas, as sardas, arrepiavam-se
negando tudo que você acabara de dizer.

Super indico a leitura de re-cordis da Ágnes Souza. Poesias, para mim, nunca devem ser julgadas, somente devem ser lidas e sentidas. Sinta o re e me diga a intensidade do seu cordis.

Livro: re-cordis
Autora: Ágnes Souza
Editora: Moinhos
Páginas: 75

Nota Final: 7,00*

Tenha um ótimo ponto para ler!

*Nota atribuída pelo geral da experiencia da leitura, sem nenhuma conotação técnica em relação a obra.

Você irá gostar de ler também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *